Outback, o deserto da Austrália | Dias 3 e 4

Foi uma experiência incrível, viajar por quatro dias em uma van, com um guia doidão e uma galera massa de vários lugares do mundo. Todo mundo se revezando para cozinhar e limpar o camping. Acordar super cedo e ver o sol nascendo atrás de monumentos construídos pela natureza. Dormir no chão abaixo de um céu absurdamente estrelado, fazer trilhas para contemplar lugares de tirar o fôlego. Eu recomendo essa viagem demais, se vc tiver a oportunidade de viajar para a Austrália.

No terceiro do tour, fomos visitar o Watarrka National Park. Acordamos bem cedo, como todos os dias. Foi bem difícil pra mim porque praticamente não dormi direito nenhuma noite durante essa viagem, com medo dos bichos, principalmente dos tais dingoes, os cachorros selvagens, mesmo sabendo que eles não vem atrás de pessoas e sim dos restos de comida.

Mas, sem reclamar, estava de pé as 6 da manhã me arrumando e ansiosa para o passeio do dia. Ao pegar as mochilas percebemos que ratos entraram nas nossas malas, não sei como, e comeram nossos snacks que levaríamos no passeio de hoje. Eca!!!

O parque é enorme. São várias opções de trilha. A The Kings Creek Walk, por exemplo, é considerada nível fácil porque tem apenas 2km e 1 hora de duração para completa-la. Já a Giles Track é difícil, com 22km de trilha e 1 a 2 dias de duração para completa-la. Clique aqui para ver informações de cada uma (em inglês).

Nós fizemos a mais popular, chamada The Kings Canyon Rim Walk, são 6km de extensão e 3 a 4 horas para completa-la.

Assim que você chega no parque, tem banheiros e bebedouros, aconselho que vá ao banheiro e encha sua garrafa de água porque durante as trilhas você não terá essas "mordomias".

O caminho é tranquilo, tem algumas subidas, escadas e pedras no caminho, mas não precisa ser nenhum atleta para conseguir fazer essa trilha. É tranquilo.

Durante o caminho passamos por vários caniôns, penhascos, vegetação e até por água. Essa trilha nos leva ao topo do cânion, onde temos uma visão incrível e ao Garden of Eden, um lugar pitoresco com plantas e buracos cheios de água. Sem dúvida, nunca vi nada igual.

Depois da cansativa, mas incrível, trilha pelo Kings Canyon, nós voltamos ao camping para o almoço, e dessa vez tivemos um cardápio variado, comemos tudo que sobrou dos outros dias. Relaxamos na piscina, compramos sorvete e refrigerante na lojinha do camping. Não podendo esquecer das moscas irritantes que estão sempre nos acompanhando (só à noite que elas vão embora).

Partimos do camping às 16h em direção ao próximo camping que ficaríamos. E esse camping foi o pior. Não havia uma cozinha fechada, como os outros, e o banheiro era um barraco, com uma privada improvisada e sem portas, mais roots do que qualquer outra viagem que já fiz na vida.

De novo, lá vai eu com medo dos dingoes, mas enfiei minha cabeça dentro do swag e vida que segue.

Último dia no Outback

Acordamos às 4 da manhã, o plano era ver o nascer do sol em um dos pontos mais famosos do Outback, o Uluru Sunrise Viewing Area. Como chegamos cedo, pegamos um bom lugar para assistir o pitoresco nascer do sol, mas o local foi enchendo cada vez mais quando se aproximava o grande momento. Dica: chegue cedo para apreciar esse espetáculo da natureza da melhor forma.

O Uluru, ou Ayres Rock, vai mudando de cor conforme o sol nasce. Com o sol ele vai ficando vermelho, é incrível e inexplicável, só vendo mesmo (não perca no vídeo abaixo).

Em seguida voltamos ao camping que ficamos na primeira noite para almoçar e depois seguimos para o aeroporto. E é hora de dar tchau e embarcar de volta para Sydney (onde eu morava).

Assista no meu canal no YouTube a série de quatro vídeos que fiz sobre essa viagem inesquecível. Se você vai para a Austrália, incluia esse tour pelo Outback no seu roteiro porque vale muito a pena.

© 2023 por NÔMADE NA ESTRADA. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • YouTube - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round