© 2023 por NÔMADE NA ESTRADA. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • YouTube - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round

Paranapiacaba | A Neblina do Silent Hill

10.11.2018

Paranapiacaba é uma vila inglesa que fica no município de Santo André em São Paulo.

 

Veja o vídeo sobre esse passeio:

 

 

A vila foi construída em 1860 para servir de acampamento para os trabalhadores da empresa The São Paulo Railway Company Ltd. que construíram a Estrada de Ferro, que fazia o transporte de cargas e passageiros entre o interior, a capital e o litoral paulista.

 

A vila continuou existindo mesmo depois da inauguração da ferrovia construída pelos ingleses e hoje é um destino turístico na cidade de Santo André em São Paulo. Um bate e volta na vila inglesa vale muito a pena.

 

O lugar é super pitoresco, as casas de madeira estilo inglês, o antigo Sistema Funicular e a neblina que chega depois das 3 da tarde, é um cenário perfeito para ótimas fotos.

 

 

Para chegar lá não precisa precisa de carro e é um passeio muito agradável para fazer em um final de semana.

 

Além das atrações como o Museu Funicular, a Casa do Engenheiro e a cidade em si que é super bonitinha, vc pode fazer trilhas e chegar a cachoeiras super bonitas. Mas nesse post vou contar apenas sobre o passeio de 1 dia que fiz nessa vila super turística que é Paranapiacaba.

 

Para chegar pegamos o trem na estação Brás sentido Rio Grande da Serra, que custa R$4 o bilhete unitário. É uma viagem de aproximadamente 40 minutos. Ao chegar em Rio Grande da Serra, que é a última estação, em frente já tem um ponto de ônibus onde pegamos o ônibus, que custa R$4.40 o bilhete unitário com o nome da vila “Paranapiacaba”, são mais uns 20 minutos até lá. Então descemos no seu ponto final em frente ao cemitério.

 

Assim que vc desce do ônibus siga em frente em direção ao banheiro público, onde tem um mapa da cidade. Você estará na parte alta da cidade. Ai que a caminhada começa. Recomendo que vá com roupas leves, tênis confortável e leve uma blusa.

 

A cidade já começa a parecer bem cinematográfica assim que vc começa a caminhar nas ruas estreitas, e ver casinhas e comércios bem locais. A igreja Bom Jesus de Paranapiacaba, é logo adiante. Tinha dois casais fazendo fotos de casamento bem em frente.

 

 

Continuamos em frente, descendo pelas ruas estreitas até chegar na ponte que separa a parte baixa da parte alta da cidade. Embaixo dessa ponte fica o Museu do Sistema Funicular.

 

Você sabe o que é um sistema funicular? É qualquer sistema controlado por cabos. Um elevador por exemplo, é um exemplo, e claro, o trem também.

 

A entrada do museu é R$5 e funciona de sábado e domingo, das 10h às 16h.

 

Lá dentro é uma área enorme, que conserva antigos patios de manobras, máquinas, oficinas, carros, vagões, locomotivas e objetos de uso ferroviário.

 

É muito lindo lá dentro, você vai gastar pelo menos uma hora passeando e apreciando o lugar. Se você gosta de fotos, pode passar até mais tempo que isso.

 

Depois da incrível visita ao museu funicular, nós paramos para almoçar, na parte alta da cidade, comemos num restaurante chamado Bistro Flor do Cambuci. Gastamos 45 reais no total num almoço para dois. Pedidos uma feijoada bem caseira e guaraná.

 

 

Paranapiacaba é muito charmosa, até uma fruta típica eles têm. A fruta cambuci, eu provei o sorvete dessa fruta mas eu achei um gosto meio “verde”, meio hortelã, mas com um gosto mais de mato mesmo. Além do sorvete, vc encontra vários produtos da fruta, como patê e bebidas alcoólicas, por exemplo. Para comprar esses produtos, visite o Mercado de Paranapiacaba.

 

Depois de provar algumas bebidas e comidinhas no mercado, seguimos para o Museu Castelo.

 

A casa aberta à visitação hoje era residência do engenheiro-chefe da estação de trem de Paranapiacaba. A entrada custa R$3 por pessoa e tem guias a cada 30 minutos.

 

Lá dentro o guia nos contou muitas histórias. Uma delas foi sobre o atraso dos trabalhadores que ajudaram a construir a ferrovia, eles não tinham tolerância ao horário de trabalho, se algum deles chegassem 1 minuto atrasado, já era mandado embora.

 

Ele também nos contou sobre o Ouro Verde, que era como chamavam o café naquela época.

 

 

Quando saímos do Museu Castelo a neblina já tinha tomado conta da cidade, é muito lindo apesar de parecer um cenário de filme de terror.

 

Caminhamos de volta em direção ao ponto de ônibus, foi super difícil encontrar o caminho certo, tinha cantos que não dava para enxergar nada mesmo. No meio do caminho vimos uma noiva tirando fotos, parecia mais a noiva cadaver no meio daquela neblina toda.

 

A minha dica é chegar cedo. De manhã estava sol e calor, depois das 15h esfriou e a neblina começou portanto impedindo a visão, principalmente, da ponte. Então, terminamos nosso passeio pegando o ônibus de volta para a estação de trem. 

 

Nós fizemos apenas um bate e volta saindo de São Paulo, mas se vc quiser passar mais tempo na cidade e conhecer tudo e também fazer as trilhas, provavelmente vale muito a pena.

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload